domingo, 14 de novembro de 2010

Pra não dizer que só falei das flores

Quando a poeira abaixa e cessa a dor da seca,
Planto meus sentimentos na esperança de colher
Pelo menos em igual medida,
Pelo menos um amor

Rego com as minhas lágrimas aquilo que plantei
Só meus devaneios sabem o que passei
Para que você fosse a mais feliz das rosas
Ainda que cavando minhas próprias fossas

De todos os caminhos que cruzei
De todas as encruzilhadas onde só, me encontrei
Você foi a única que notei,
A única que pra mim guardei

Por isso termino essas frases com "ei"
Só assim não acabo com o "eu" que ainda tenho
Aquele que ainda não te dei

Quando teus espinhos me trazem as dores
Me lembro que existe todo um jardim
Mas que apesar de toda a beleza das outras flores
Só você deixou seu pólen em mim

Meus ciúmes fazem sombra em ti?
Então hoje abro mão do meu próprio assoite
Para que a escuridão venha só de noite
Para que Sol meu amor brilhe aqui

Diego Ruas

Um comentário:

Phelipe -POS- disse...

Profuuuuundo velho. muito bonito